No país do futebol, o sonho de ser um jogador segue sendo um dos principais desejos das crianças. E, entre as meninas, não é diferente. Com a modalidade ganhando cada vez mais espaço no coração dos brasileiros, novos talentos estão surgindo. De olho neles, os treinadores das categorias de base da Seleção Brasileira Feminina observaram 28 meninas durante esta semana. Convocadas após seletivas em vários Estados do Brasil no primeiro semestre desse ano e, também, em observações nos campeonatos disputados, as jogadoras passaram por treinos e testes na Granja Comary, em Teresópolis (RJ).

O técnico Doriva Bueno, da Seleção Sub-20, convocou 14 jogadoras. Entre elas, a jovem Isadora, da Ferroviária. É a segunda vez que a meia tem a oportunidade de estar na Canarinho – esteve quando tinha 13 anos, quando ainda era da base do time de Araraquara (SP). Dois anos depois, teve filho e ganhou ainda mais responsabilidade em sua vida. Hoje, aos 17, está no time principal da Ferroviária e segue com o objetivo de atuar no futebol feminino.

– Hoje me divido nos treinos durante o dia, a faculdade à noite e com o meu filho. É pouco tempo, mas fico com ele aos finais de semana. Sigo com o sonho de ser atleta e ser um exemplo para o meu filho. Lá na frente quero mostrar tudo o que aprendi para ele.

Luizão, comandante da Seleção Sub-17, também chamou 14 atletas. Com apenas 14 anos, a goleira Gabriela tem um futuro promissor na função. Com toda a família jogando na mesma posição – pai, mãe e irmão –, a jogadora da Chapecoense contou sua história e falou com sorriso largo sobre a oportunidade de estar na Seleção.

– Meu pai começou desde pequeno na cidade onde ele morava (no interior do Paraná), depois jogou pelo Internacional. Minha mãe também jogava na cidade dela. Depois nasceu meu irmão e, desde pequeno, ele já brincava de bola. Hoje tem 17 anos e é goleiro de futsal do Tubarão-SC. Eu sempre preferi brincar de bola e me inspirei no meu irmão, porque brincávamos juntos e comecei a acompanhar ele nos treinos. Gostei e passei a jogar. Meu pai comprou calça e luvas de goleiro e foi acontecendo. Em 2014 fui campeã estadual pelo Pinhãozinho, em Santa Catarina, depois joguei no Criciúma e esse ano fui para a Chapecoense. Foi uma surpresa muito feliz ser convocada para a Seleção. Aprendi muita coisa aqui e agora é chegar em Chapecó, continuar o trabalho forte e esperar, se Deus quiser, por novas convocações – contou Gabriela.

Confira de onde vieram as selecionadas da categoria sub-20:

Brasília: volante Andressa (Minas Brasília)
São Paulo: zagueira Karen (Juventus), volante Letícia (União Suzano), atacante Larissa (Foz Cataratas)
Araraquara: goleira Maria Gabriela (Ferroviária), zagueira Fernanda (Rio Branco), meia Isadora (Ferroviária), meia Miriele (Rio Preto)
Macapá: lateral Keila (Oratório)
Resende: lateral Mayara (América Mineiro)
Foz do Iguaçu: atacante Poliana (Clube dos Bancários de Marília)
Brasileiro Feminino A-2: goleira Kleane (Aliança), atacante Brenda (União Desportiva Alagoana)
Brasileiro Escolar de Belém: meia Vitória (Clube Educacional Albert Einstein)

Confira de onde vieram as selecionadas da categoria sub-17: 

Brasília: zagueira Letícia (Minas/ICESP), meia Layssa (Ceilândia), atacante Tácila (Next Academy)
São Paulo: meia Giovana (SPFC), meia Letícia Marques (Taboão da Serra)
Curitiba: lateral Tatiane (Joinville), zagueira Alessandra (sem clube), atacante Ana Carolina (Joinville)
Resende: Tarciane (Duque de Caxias)
Paulistão Feminino: goleira Pietra (São José), atacante Emily (Audax)
Campeonato Catarinense: goleira Gabriela (Chapecoense), lateral Isabela (Chapecoense)
Campeonato Gaúcho: atacante Helena (Internacional)