Julia Bianchi, camisa 2 da Seleção Brasileira Feminina Sub-20 na Copa do Mundo da Papua-Nova Guiné, tem histórico na equipe nacional. Aos 19 anos, com Mundial Sub-17 em 2012 e Sub-20 em 2014 no currículo, a lateral fez parte do processo de formação do grupo comandado pelo técnico Doriva Bueno.

Dois meses antes do Mundial em 2014, o treinador assumiu a Seleção Sub-20 logo para a disputa da competição. No sorteio, o Brasil caiu no "grupo da morte", com Alemanha, Estados Unidos e China, e foi eliminado ainda na fase de grupos. Daquele time, somente Julia tinha idade para um novo campeonato da categoria. Doriva então foi fazer seletivas em busca de atletas.

Desde a primeira convocação em 2015, quando a equipe ainda se formava e se preparava para a disputa do Sul-Americano e a conquista da vaga para a Copa do Mundo, Julia estava nas convocações – exceto quando seu clube, Ferroviária, pedia para liberá-la.

No ano passado, ainda no início do trabalho, a Seleção Brasileira participou de um torneio amistoso com Estados Unidos, México e Japão, adversário do Brasil nas quartas de final – três equipes que estão nas quartas de final do Mundial da Papua. O jogo contra as japonesas terminou 4 a 0.

– Eu estava no jogo do ano passado com o Japão, mas Copa do Mundo é diferente. Naquela vez estávamos no início do trabalho, não tínhamos o entrosamento de jogo e as meninas que chegaram para somar no grupo. A gente sabe que o Japão é um time com apoio e passes curtos, muita qualidade técnica e muito rápido. Não podemos vacilar na marcação – analisou a lateral. 

Na próxima quinta (24), a Seleção Brasileira Feminina Sub-20 volta a campo, agora pelas quartas de final. A partida contra o Japão é às 19h30 (7h30 de Brasília).