Inspiração. Foi atrás dela que os meninos da Seleção Brasileira Sub-17 entraram pela porta do Museu Seleção Brasileira nesta quinta-feira (16). Eles disputarão o Sul-Americano da categoria de 23 de fevereiro a 19 de março no Chile – competição que classifica para a Copa do Mundo.

Entusiasta da visita dos jovens atletas ao Museu, o técnico Carlos Amadeu sabe o quanto é importante que os meninos da Sub-17 conheçam a história de conquistas da Seleção Brasileira, os cinco títulos mundiais, Copas América, Copas das Confederações e outros tantos títulos. 

– Eles querem ser atletas de futebol profissional, então precisam conhecer a história do futebol brasileiro. Nosso objetivo é fazer com que eles conheçam toda essa raiz de onde começou e quais foram as nossas conquistas. Só assim eles vão saber o quão forte é o Brasil – explicou o treinador.

A geração sub-17 da Seleção são dos jogadores nascidos até o ano 2000, dois anos antes do último título mundial do Brasil, na Copa do Mundo da Coreia e Japão. Nenhum deles viu Cafu levantar a taça em 2002. E hoje, no Museu, tiveram a oportunidade de assistir a diversos gols de Ronaldo, Jairzinho e tantos outros artilheiros brasileiros.

– Eles se sentem muito criticados, por serem chamados de "mimados", de uma "geração que não joga mais futebol no Brasil". Eu converso com eles sobre isso. Eles se sentem menores. A gente está aqui mostrando a importância de eles não se sentirem menores, porque o Brasil é muito forte. Nós estamos vivendo um momento de transformação no nosso futebol, e que já deu coisas positivas, como a conquista do ouro nas Olimpíadas. E eles podem fazer parte dessa transformação positiva – afirmou Amadeu.

O torcedor Amadeu

Não foi só o treinador Carlos Amadeu que passeou pelos corredores mais vitoriosos do futebol mundial. O Amadeu que lembrava das conquistas que acompanhou pela televisão quando criança se emocionou. Com apenas seis anos na Copa do Mundo de 1970 – o tricampeonato mundial do Brasil –, ele lembra bem de todos Mundiais a partir de 1974, o que tornou o Museu ainda mais incrível.

– Para mim foi simplesmente emocionante. Foram vários momentos que eu me arrepiei, porque muitos deles eu ouvi falar e outros que eu presenciei e vi. Isso me trouxe excelentes recordações, me deixou orgulhoso de ser brasileiro e de fazer parte desta história hoje. E, pelos meninos, eu não tenho dúvida pelos olhares, pelo comportamento, pelos comentários, que eles adoraram. A gente já vinha trabalhando isso com eles, ao longo da preparação. Conversando sobre a nossa identidade e de fazer valer isso. Nós temos que nos atualizar e aprender, mas sem perder a nossa essência, que é o jogo – declarou o técnico.

O Brasil estreia no Sul-Americano Sub-17 contra o Peru, no dia 24 de fevereiro, 22h15, no Estádio Fiscal, em Talca, no Chile. A Seleção ainda enfrenta Argentina, Paraguai e Venezuela pela primeira fase da competição. Amadeu já definiu o nome dos meninos que disputam o título e a vaga no Mundial.