Vitória histórica do Brasil nas areias de Nassau. A Seleção Brasileira derrotou a Polônia por 7 a 4 (gols de Catarino (2), Rodrigo (2), Fernando DDI, Mauricinho e Lucão, com Saganowski (2) e Jesionowski (2), para os europeus), na noite deste domingo (30), em confronto válido pela segunda rodada do Grupo D da Copa do Mundo Bahamas 2017, e chegou à marca de 500 vitórias em sua história nas areias. Além disso, ultrapassou os 300 gols em Mundiais FIFA (305 em 47 partidas).

O bom resultado levou o Brasil à liderança isolada e invicta da chave e o último compromisso na fase classificatória será na terça-feira (2), contra o Japão. Rodrigo, autor de dois gols, exaltou o equilíbrio e o poder de reação da equipe.

– Demos mais um passo importante na nossa caminhada aqui nas Bahamas. Sabíamos que seria uma partida muito difícil como foi e que precisávamos jogar com calma, com paciência para abrir espaços para chegar ao gol. Saímos atrás e tivemos tranquilidade, equilíbrio e determinação para fazer o nosso jogo, dar o nosso ritmo, buscar o placar. Fico feliz por ter ajudado a equipe, pela atuação e pela postura do time em quadra. Agora é focar no Japão, mais uma pedreira, mais uma decisão – afirmou o camisa 9.

A Polônia abriu o placar com Jesionowski: 1 a 0, aos dois minutos. A resposta verde-amarela veio com Lucão, de bicicleta: 1 a 1, aos cinco. O Brasil pressionou, a Polônia mantinha a igualdade pelas mãos dos goleiros, Marciniak e Gasinski, e assim terminou o primeiro período.

Segunda etapa de muito equilíbrio e Catarino pôs a Seleção Brasileira à frente: 2 a 1, aos sete minutos, gol 300 do Brasil na história da Copa do Mundo FIFA. Rodrigo, em jogada individual, ampliou a três segundos do fim da etapa: 3 a 1.

Chuva de gols no último tempo. DDI completou de cabeça um chute de Mão para aumentar: 4 a 1, no primeiro minuto. Catarino, com categoria, ampliou aos seis. O experiente Saganowski, de 40 anos, diminuiu para os polacos em seguida. Rodrigo aumentou aos nove: 6 a 2. Jesionowski fez mais um para a Polônia, Saganowski marcou de pênalti, a 18 segundos do fim, e Mauricinho, a sete segundos do apito final, encheu o pé para selar a vitória: 7 a 4.

Com o resultado, o Brasil chegou a 31 partidas de invencibilidade (43 triunfos em Copa do Mundo FIFA) e terá o retorno do atacante Bokinha, que cumpriu dois jogos de suspensão da expulsão na final das Eliminatórias, fazendo sua estreia no Mundial contra o Japão, terça-feira (2).

MATEMÁTICA DA CLASSIFICAÇÃO

O Brasil só depende de si para se classificar às quartas de final. Vencendo o Japão, garante o primeiro lugar da chave e vai enfrentar o segundo colocado do Grupo C na próxima fase. Se perder para o Japão no tempo normal e o Taiti não vencer a Polônia no tempo normal, a Seleção Brasileira ficará em segundo lugar e os nipônicos assumem a ponta pelo confronto direto. Se o Brasil perder para o Japão no tempo normal e os taitianos derrotarem os poloneses também no tempo normal, haverá um tríplice empate com seis pontos e a definição dos dois classificados será pelos critérios de desempate entre as três seleções (a começar pelo saldo de gols). Se o Brasil perder para o Japão na prorrogação ou nos pênaltis, ainda assim garante o primeiro lugar do Grupo D.