O Brasil venceu os dois jogos que fez até agora na Copa do Mundo FIFA Bahamas. Na estreia, goleou o Taiti por 4 a 1 e no domingo (30) aplicou um novo placar elástico, 7 a 4 na Polônia. O próximo adversário é o Japão, nesta terça-feira (2), às 19h30, pelo horário de Brasília. Bokinha, que cumpriu suspensão nas duas primeiras partidas, está liberado para a terceira rodada da fase de grupos.

Multicampeão aos 42 anos, Jorginho, uma das lendas do beach soccer brasileiro, decidiu se aposentar da Seleção após a última Copa do Mundo. Ainda em atividade pelo Vasco, clube que joga com mais cinco atletas da atual equipe brasileira, Jorginho esteve com os companheiros antes de viajarem para as Bahamas e pode passar mais um pouco da experiência que adquiriu ao longo do tempo.

– Acho muito importante ter essa figura de ídolos que fizeram o esporte e representaram tão bem o Brasil perto da nova geração para que tenha a possibilidade de dar conselhos, ajudar, de falar como são as coisas em um campeonato tão importante como esse. E a nova Confederação está fazendo isso bem. Espero manter isso e estar sempre com eles ajudando no que for preciso – explicou o octacampeão do Mundo.

São 23 anos de beach soccer. Jorginho já jogou ao lado e contra os melhores do esporte. Conhecedor do caminho vitorioso, passou para os jogadores lições importantes para voltarem a levantar o caneco de campeão, o que aconteceu pela última vez em 2009.

–  Essa Seleção tem nove jogadores que disputaram a última Copa do Mundo (2015). Apenas três não estiveram na última edição, então eles já estão bem experientes em relação a isso. Fica muito mais fácil quando você já tem a experiência e já sabe como entrar em um evento tão grandioso como esse. Estou bem tranquilo e confiante nesta Seleção.

Jorginho deixou a Seleção Brasileira para se dedicar integralmente ao clube, mas as portas permanecem abertas. O jogador e a Confederação de Beach Soccer Brasileiro (CBSB) têm planos para que o importante ciclo seja fechado como todo ídolo merece.

– O que está planejado com a Confederação é eu ter uma despedida de jogos oficiais com a Seleção, que deve ser esse ano, e depois fazer um jogo para reunir os amigos ou os jogadores que eu enfrentei e joguei ao lado nesses 23 anos. Esse é o objetivo - contou Jorginho.

Para depois, quando se aposentar de vez da carreira de jogador, Jorginho revela que existe a possibilidade de estar mais próximo da Seleção, mas do lado de fora das quadras de areia.

– Acho que vou poder ajudar muito mais do lado de fora, como sempre fiz, batalhando por melhorias, por uma estrutura melhor, para que o esporte cresça no Brasil, para que os atletas possam viver do esporte. Vou dar uma estudada, vou me aprimorar. É claro que já tenho a minha experiência, que é bem válida, são 23 anos de esporte. Eu sou o único atleta do mundo que fiz parte do primeiro campeonato de beach soccer até hoje em atividade, mas quero chegar com mais que isso, com uma estrutura um pouco melhor. Vou fazer cursos de gestão esportiva e outros cursos que aparecerem para que eu possa ter uma função ativa na Confederação. Eu não quero ser só mais um que não possa ter a palavra. Quero poder chegar e falar que estou aqui por isso e aquilo, como dirigente ou como coordenador – falou Jorginho, que descartou ser treinador.

No Vasco Jorge pretende jogar por mais um tempo, por acreditar ainda estar atuando em alto nível.

– O Vasco é o único time que eu joguei. É igual a Seleção Brasileira, minha segunda pele. O carinho que eu tenho da torcida é indescritível, não tem como agradecer. A minha vida depois que os clubes entraram no futebol de areia mudou realmente. O reconhecimento foi muito maior. E eu pretendo jogar ainda mais um ano ou um ano e meio porque eu tenho condições, tenho alegria de estar com esse grupo. Quando você é acostumado a jogar sempre em alto nível e vê que o rendimento já não é mais o mesmo, isso deve chatear. E antes que isso aconteça comigo, ou se eu perceber que já está acontecendo, vou preferir me retirar, até por tudo que já fiz, não quero deixar uma imagem diferente do que eu proporcionei durante esses 23 anos.

Para quem ainda não assistiu o Brasil na Copa do Mundo, que está sendo transmitida pelo Sportv e pela TV Bandeirantes, Jorginho deixou um recado.

– A gente está vivendo um momento de transição. Antigamente era uma empresa que comandava o esporte, hoje é uma Confederação, com pessoas sérias. Peço que confie, como a gente confia. Os jogadores que foram convocados estão dando o máximo lá dentro para tentar conquistar esse torneio, que é o mais importante do calendário mundial, e resgatar o lugar que o Brasil perdeu, que é o lugar mais alto, de campeão – finalizou.