O Brasil estreou na Copa do Mundo FIFA, que está acontecendo nas Bahamas, nesta sexta-feira (28), com uma goleada de 4 a 1 sobre o Taiti, atual vice-campeão do Mundo. Nesta equipe, onde a média de idade é de 28,5, três, dos mais jovens, são os estreantes na competição: Lucão, Rafa Padilha e Filipe, que foi autor do primeiro gol brasileiro.

Com pouca idade e a primeira oportunidade de participar da Copa, os jogadores podem contar com a experiência dos companheiros de equipe. Mão, Fernando DDI e Bruno Xavier, são referências e fontes de conselhos para quem chegou agora.

Segundo os atletas, a tranquilidade é um dos principais conselhos que recebem dos amigos de areia. Para Filipe, essa convivência é proveitosa para tirarem as lições fundamentais que vão levar ao objetivo final, que é o título.

– O Mão, o Bruno e o DDI conversam muito com a gente sobre ansiedade. Passam tranquilidade, conforto e é muito importante para nós, mais novos, aprendermos a ter essa tranquilidade para exercermos nosso trabalho e sairmos campeões – contou o ala brasileiro.

Para estes três jogadores o sentimento de defender o Brasil nas Bahamas é ainda mais especial. Consideram o auge da carreira de qualquer atleta.

– Pessoalmente é o ápice. A gente sempre espera fazer o melhor, dar o melhor da gente. Profissionalmente a gente está esperando isso desde 2011, que a gente perdeu a Copa, a gente está esperando coroar com essa vitória e trazer o título para o Brasil – explicou o atacante Lucão, de 25 anos.

– Defender a Seleção Brasileira em uma Copa do Mundo é o ápice para qualquer jogador. A gente representa o país, não só nossas famílias e amigos. Então a responsabilidade é grande – Rafael Padilha, goleiro de 23 anos.

– Muito feliz! Primeiramente de vestir essa camisa e de ser uma Copa do Mundo, a competição mais importante que tem na carreira de um atleta. Estou muito feliz, motivado e vou dar o meu melhor – contou Filipe, que aos 23 anos já deixou o dele na estreia.

Além dos companheiros de Seleção, Lucão, Filipe e Rafa Padilha também têm o apoio moral de um grande ídolo do beach soccer brasileiro e mundial, Jorginho, que esteve presente na última semana de treinamentos do Brasil, assim como Magal, e também troca mensagens com os atletas para passar experiência.

– Jorginho, várias vezes o melhor do mundo, campeão mundial também, é muito importante. Ele passa muita experiência pela vivência do esporte, os momentos difíceis que ele já passou, então traz para a gente essa tranquilidade de continuar fazendo o nosso trabalho, independentemente do que esteja acontecendo dentro de quadra – afirmou Filipe.

Para Lucão e Rafa Padilha, que jogam com Jorginho no Vasco, essa troca é ainda mais intensa e presente.

– Eles sempre falam da importância da união para o grupo. A gente já joga com ele há um tempinho e pega um pouco da experiência. Eles são os ídolos, os ícones do esporte. A gente sempre pega a melhor parte do profissionalismo deles, que é a experiência, a união – contou Lucão.

– Jorginho já é amigo de resenha, a gente já joga junto no clube (Vasco) e essa troca de experiência e saber de quem já passou, já foi ídolo, é muito importante – completou Rafael Padilha.

O segundo jogo do Brasil acontece neste domingo (30), às 19h30 pelo horário de Brasília. O próximo adversário será a Polônia. A Copa do Mundo FIFA Bahamas está sendo transmitida pelo Sportv e TV Bandeirantes, e vai até o dia 7 de maio.