Por onde a Seleção Brasileira passa, uma legião de fãs se junta para torcer. E com a Seleção Feminina não é diferente. Em 2016, as craques da Canarinho estiveram ainda mais próximas do torcedor brasileiro e foram muitos os momentos compartilhados com a torcida. Desde o amistoso em Fortaleza, dia 20 de julho, até a disputa pelo terceiro lugar nos Jogos Olímpicos Rio 2016.

A Seleção Feminina não participa de muitos amistosos em casa. Faz mais jogos fora do país, na França, nos Estados Unidos, no Canadá, por exemplo, e, por onde passa, enche estádios. Os torcedores não apoiam só as equipes "mandantes", mas é comum ver meninas de todo o mundo pedindo fotos e autógrafos após as partidas, independentemente dos resultados. 

Neste ano, o carinho foi ainda mais especial. Com os Jogos Olímpicos sendo disputados em casa, no Rio de Janeiro, as jogadoras do Brasil sentiram o calor e apoio de sua torcida nos bons momentos, como a classificação para a semifinal, com o Mineirão lotado, e nos maus, como a derrota para a Suécia nos pênaltis, com mais de 70 mil pessoas no Maracanã.

– Foi uma experiência única jogar em casa e lotar estádios como fizemos. Eu acredito que todas nós sabíamos que teríamos um público bom durante as Olimpíadas por se tratar do maior evento esportivo do mundo, mas nenhuma de nós imaginava que o futebol feminino teria essa magnitude de público como tivemos. Foi simplesmente mágico! – avaliou a volante Thaisa.

Ao longo da competição mais importante do ano para a Seleção, foram seis jogos disputados que serviram de oportunidade ao contato direto com seus admiradores. Na estreia, no Estádio Nilton Santos, mais de 27 mil pessoas viram o Brasil superar a China por 3 a 0, e o número de torcedores in loco foi aumentando. 

Nas quartas de final, contra a Austrália, no Mineirão, em Belo Horizonte, o público presente foi de 52.660, recorde no estádio até o duelo entre Brasil x Argentina pelas Eliminatórias da Copa do Mundo da Rússia 2018, em novembro. A partida, super-emocionante, foi decidida nos pênaltis, quando a goleira Bárbara brilhou fazendo grande defesa e levando o Brasil à semifinal.

– Tenho três momentos dos Jogos que não sairão da minha memória. Primeiro, em Belo Horizonte, quando toda a torcida acendeu as luzes dos seus celulares, e o estádio inteiro gritou "Eu acredito" depois que a Marta errou o pênalti. Aquilo foi de arrepiar. Depois, quando estávamos embarcando para o Rio de Janeiro depois da vitória contra a Austrália, passávamos pelas pessoas no aeroporto de BH, e todas se levantavam e nos aplaudiam. Por último e não menos importante foi quando fomos derrotadas no Maracanã, na semifinal, e a torcida inteira nos aplaudiu de pé – conta.

O maior número alcançado nesta edição das Olimpíadas foi justamente no estádio mais famoso do mundo: o Maracanã, no Rio de Janeiro. Cerca de 70.454 pessoas torceram pela Seleção Brasileira contra a Suécia, na semi. Mais uma vez a decisão da vaga foi nas penalidades, mas desta vez o Brasil foi superado. Apesar do resultado, os presentes aplaudiram de pé a equipe. 

PÚBLICO DA SELEÇÃO FEMININA EM 2016:

Brasil 3 x 0 China - Engenhão, Rio de Janeiro (1ª fase)

Público presente: 27.618

Brasil 5 x 1 Suécia - Engenhão, Rio de Janeiro (1ª fase)

Público presente: 47.928

Brasil 0 x 0 África do Sul - Arena da Amazônia, Manaus (1ª fase)

Público presente: 42.000

Brasil 0 x 0 Austrália - Mineirão, Belo Horizonte (quartas de final)

Público presente: 52.660

Brasil 0 x 0 Suécia - Maracanã, Rio de Janeiro (semifinal)

Público presente: 70.454 

Brasil 1 x 2 Canadá - Arena Corinthians, São Paulo (disputa 3º lugar)

Público presente: 39.718