A tarde de sexta-feira (7) no Estádio Carlos Zamith, em Manaus, foi mais um dia de treinamento técnico-tático para a Seleção Brasileira Feminina. A técnica Emily Lima trabalhou a defesa e o ataque de sua equipe separadamente e, depois, os dois setores juntos.

De um lado do campo, Emily ficou com as laterais e as zagueiras. Letícia, Bruna, Rafaelle e Tamires formaram um quarteto; Fabiana, Mônica, Andreia Rosa e Jucinara, o outro. Uma hora um grupo atacava, e o outro defendia. O assistente Guilherme Giudice ficou encarregado das jogadoras do ataque, que foram divididas em grupos de seis: duas volantes, duas meias e duas atacantes.

Maurine, Francielle, Marta, Thaisa, Bia e Debinha; Gabi Zanotti, Brena, Cristiane, Camilinha, Thaís e Rosana; Gabi Nunes, Maurine, Marta, Thaisa, Darlene e Debinha. Estes foram os sextetos que revezaram. O objetivo dos dois trabalhos era chegar ao gol, defendidos pelas goleiras Barbara e Thais Picarte. 

Depois da parte dividida, Emily uniu os dois trabalhos: o quarteto defendia, enquanto o sexteto atacava. Em seguida, a treinadora colocou as volantes para defenderem também. 

– A gente sabe que ali atrás não tem como ter erros, então você percebe que é uma preocupação grande da comissão técnica sobre o balanço defensivo. Esse treino foi para isso, compactar as linhas, quando uma das defensoras sai para agredir a bola, a gente tem que estar sempre com o setor fechado. E uma coisa que eles estão cobrando muito é intensidade, que é a realidade do jogo. Foi cansativo, mas a gente sabe que isso vai nos ajudar muito dentro de campo – analisou a zagueira Bruna Benites.

Um trabalho preparatório para o que pode acontecer no amistoso de domingo (9) contra a Bolívia, na Arena da Amazônia, às 20h30 (de Brasília).