Denílson foi protagonista na Copa do Mundo de 2002. Mesmo que não saísse jogando, o craque de talento enorme e drible fácil tinha uma função importante no esquema de Luiz Felipe Scolari: segurar a bola no ataque. Quando precisou manter a posse no setor ofensivo para garantir a vaga na grade decisão, contra a Turquia, Felipão fez o atleta sair do banco e entrar para a eternidade em uma das imagens mais famosas da história das Copas. Afinal de contas, nenhum torcedor que acompanhou o Mundial da Coreia do Sul e Japão esquece dos quatro turcos tentando roubar a bola do nosso camisa 17, fato que completa 15 anos nesta segunda-feira (26).

Aproveitando a passagem do craque pela sede para comentar os últimos dois amistosos da Canarinho, diante de Argentina e Austrália, a CBF levou Denílson para um passeio no Museu Seleção Brasileira. No local, ele reviu a histórica foto do momento com os turcos e foi surpreendido com uma oferta irrecusável: levantar novamente a taça conquistada em 2002. A emoção foi enorme.

– É uma sensação maravilhosa! Marquei meu nome na história do futebol. Vim do nada e ter esse prêmio me alegra muito. Viver esse momento... Só tenho a agradecer a Deus por me fazer viver essa emoção mais uma vez. Estou bem emotivo. São dez anos já sem jogar futebol e esse museu me fez lembrar várias coisas. Poder tocar no que foi tão difícil a gente conquistar há 15 anos... Ela continua igualzinha! Muito legal! – afirmou o craque, sem segurar as lágrimas.

O Mundial de 2002 não foi o primeiro de Denílson. O meia havia defendido a Seleção Brasileira na Copa de 1998, na França. A derrota para os donos da casa o marcou muito. Ele revela que usou a frustração para motivar os companheiros a buscar a glória na Coreia e Japão. 

– Joguei duas Copas. Havia chegado perto (do título) na de 1998 e perguntei muito: "por que não eu?". Quatro anos depois, Deus me deu a possibilidade de reviver aquele sentimento e eu falei que não dava para deixar perder. Eu falava muito isso no vestiário, vendi muito essa história no nosso dia a dia. Felizmente, conseguimos ganhar – acrescentou.

O especial #Penta15anos está relembrando a conquista jogo a jogo na visão de personagens da campanha histórica. A próxima matéria vai ao ar na sexta-feira (30), data do sétimo e último jogo da Seleção Brasileira no Mundial, contra a Alemanha, pela grande decisão. Fique ligado!

Veja mais sobre a Série #Penta15anos:

"Titular", Luizão recorda estreia na Copa de 2002
Roberto Carlos detalha golaço contra China em 2002
Edmílson relembra gol contra a Costa Rica na Copa
Marcos: fundamental para a Seleção nas oitavas
A 'assistência' de Cafu na falta de Ronaldinho